Brasil de Fato, Michele de Mello - Héctor Béjar, apresentou sua renúncia como ministro das  Relações Exteriores do Peru, nesta terça-feira (17), depois de 20 dias da posse, sendo o primeiro ministro de Pedro Castillo a deixar o cargo. A renúncia acontece logo depois que foi desatada uma campanha midiática contra o funcionário.

No último domingo foi difundida uma entrevista concedida por Héctor Béjar antes de exercer um cargo público, na qual o sociólogo critica a Marinha peruana. No entanto, ao resgatar o vídeo, os meios de comunicação peruanos não esclarecem a data da gravação.

"Eu estou convencido, não posso demonstrar, sobre suas coisas: que o Sendero Luminoso é, em grande parte, obra da CIA e seus serviços de inteligência; e dois, que grande parte das operações de divisão da esquerda estão vinculadas aos serviços de inteligência inimigos. O terrorismo no Peru foi iniciado pela Marinha, isso é o que podemos demonstrar historicamente", afirmou Héctor Béjar, antes de tornar-se ministro.

PUBLICIDADE
.

Ainda no domingo (15), o chefe de Estado peruano se reuniu com diretores dos maiores meios de comunicação do país para "promover um trabalho conjunto que priorize a estabilidade do Peru, através do respeito ao direito à informação da cidadania e o exercício responsável e transparente da liberdade de expressão".

Antes de apresentar a renúncia, em comunicado oficial, o Ministério de Relações Exteriores já havia afirmado que Béjar estaria disposto a prestar esclarecimentos ao Congresso e sua versão sobre os fatos. 

No mesmo documento, a chancelaria aponta que as declarações "estão sendo manipuladas, editadas, recortadas e tiradas de contexto com o propósito de desacreditar e obter a censura do Ministro de Relações Exteriores".

PUBLICIDADE

Na manhã de segunda-feira (16), partidos de direita convocaram uma manifestação em frente à sede do Ministério exigindo a saída do chanceler. 

O gabinete da presidência divulgou que aceitou o pedido, mas ainda não oficializou quem será o sucessor. Na manhã desta terça-feira (17), Pedro Castillo reuniu-se com Manuel Rodríguez Cuadros, ex-ministro de Relações Exteriores e ex-embaixador peruano na Unesco, que agora é um dos nomes mais cotados para assumir o cargo. 

Este é o segundo ministro de Castillo que sofre algum tipo de represália. O primeiro-ministro, Guido Bellido, também é investigado pelo Ministério Público por suposto vínculo com o terrorismo. O caso é denunciado como perseguição político-judicial, já que até o momento a única prova contra Bellido é uma declaração. 

PUBLICIDADE